LabClínicas

NOTÍCIAS - Mulheres vítimas de ataque cardíaco têm mais risco de morrer do que homens O resultado da pesquisa indica que a causa do problema não é fisiológica e nem genética, mas sim, cultural - por Ana Beatriz de Melo A Del Tio

Apesar de sempre estarem associadas aos homens, as doenças do coração, com destaque para o ataque cardíaco, podem ser mais fatais para as mulheres. Esse foi o resultado do estudo realizado pela Universidade de Leeds em parceria com o Instituto Karolinska, da Suécia.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram aproximadamente 180 mil pacientes suecos que sofreram infarto ao longo de 10 anos e descobriram que as mulheres tinham três vezes mais chances de morrer de um ataque cardíaco no ano seguinte após sofrer um.

A causa dessa proporção não está ligada a fatores genéticos e nem fisiológicos, mas a questões culturais. Segundos os pesquisadores, as mulheres têm 24% menos chances de receberem estatina, remédio que ajuda a prevenir um segundo infarto e são 16% menos propensas a receberem aspirinas, que previnem coágulos. Elas também são 34% menos propensas a receber procedimentos de desobstrução de artérias, como ponte de safena e o implante de stents.

"As descobertas deste estudo sugerem que há maneiras claras e simples de melhorar os resultados das mulheres que sofrem de um ataque cardíaco - devemos garantir uma oferta igual de tratamentos baseados em evidências", declarou Chris Gale, que é co-autor do estudo e professor de medicina cardiovascular na Universidade de Leeds.

Segundo os pesquisadores, as alterações na terapia começam no primeiro contato com o médico, já que elas não costumam apontar o principal sintoma da doença: dor no peito. Por isso, são menos indicadas a exames diagnósticos, fazendo com que sejam 50% mais propensas a sofrerem com diagnóstico inicial errado.


http://www.minhavida.com.br/saude/materias/32290-mulheres-vitimas-de-ataque-cardiaco-tem-mais-risco-de-morrer-do-que-homens

N

O artigo mostrou ainda que a diferença na taxa de mortalidade entre os gêneros foi menor se comparado às mulheres que ganharam tratamentos usuais. "Precisamos trabalhar mais para mudar a percepção de que os ataques cardíacos só afetam um determinado tipo de pessoa", alerta o professor Chris Gale.